Extintores

extintores

Você tem acompanhado a data de validade,  se seu extintor se encontra em bom estado, e em lugar adequado, para evitar multas e pontos na carteira de habilitação?

Em 22 de abril de 2004 foi aprovada a lei que os extintores de incêndio são de uso obrigatórios nos veículos automotores, elétricos, reboque e semi-reboque, em conformidade com o Artigo 105 do Código de Trânsito Brasileiro.

Além de adquirir os itens de segurança contra incêndio, também é obrigatória a manutenção conforme determina a legislação. É preciso ficar atento com a procedência do fabricante e com a qualidade dos produtos e serviços prestados.

Os extintores precisam ter sua carga renovada regularmente, em intervalos estabelecidos pelo fabricante. Em geral estes variam de um a três anos.

Em intervalos maiores o cilindro do extintor precisa passar por um teste hidrostático para determinar se ele possui vazamentos ou algum outro dano estrutural que prejudique o seu funcionamento. Há novos extintores que tanto o cilindro quanto sua carga valem cinco anos, e após o uso não tem mais utilização do cilindro como os antigos.

O extintor além de estar bem conservado e dentro da validade deve estar sempre na parte dianteira do veículo

A multa por falta de extintore/ou vencido é de R$ 127,69.

E o motorista adquire cinco pontos (considerado grave) na CNH (Carteira Nacional de Habilitação).

Para usar o extintor, você retira o pino de segurança e pressiona a alavanca de operação. A alavanca empurra a haste de ativação, que pressiona a válvula de molas para baixo, para abrir a passagem até o bocal. A parte inferior da haste de ativação tem um ponto afiado, que fura a válvula de liberação do cilindro. O extintor deve ser usado com a válvula para cima, pois no cilindro tem um pescador (cano) que chega perto de sua base.

A água é o material mais conhecido para apagar incêndios e é um dos mais eficazes, mas pode ser perigosa quando usada em uma situação errada. Um extintor de água consegue apagar o fogo em materiais como madeira, papel ou papelão, mas não funciona em incêndios elétricos ou naqueles que envolvam líquidos inflamáveis. No caso de um incêndio elétrico, a água pode conduzir à corrente, o que pode causar eletrecução. A água só irá espalhar um líquido inflamável, o que irá piorar o incêndio.

Outro material popular que elimina fogo é o dióxido de carbono puro. Num extintor de dióxido de carbono, este material é mantido sob pressão, em forma líquida, dentro do cilindro. Quando o container é aberto, o dióxido de carbono se expande para formar um gás. Este gás é mais pesado do que o oxigênio, então ele elimina o oxigênio que está ao redor do combustível em chamas. Este tipo de extintor  é comum em restaurantes porque não contamina os equipamentos da cozinha nem a comida.

Outro material utilizado para eliminar é a espuma ou pó químico, normalmente feita de bicarbonato de sódio, bicarbonato de potássio, quase idêntico ao bicarbonato de sódio ou fosfato monoammonium. O bicarbonato de sódio começa a decompor em 70°C e, quando se decompõe, libera o dióxido de carbono, que, junto do isolamento da espuma, serve para abafar o incêndio.

Tipos de extintores

Saiba mais da Rede PitStop